Graça Infinita – David Foster Wallace

Sinopse: Os Estados Unidos e o Canadá já não existem: eles foram substituídos pela poderosa ONAN, a Organização de Nações Norte Americanas. Uma enorme porção do continente se tornou um depósito de lixo tóxico. Separatistas quebequenses praticam atos terroristas e a contagem dos anos foi vendida às grandes corporações. Graça infinita foi o último grande romance do século XX e, como o Ulysses de James Joyce, teve um impacto duradouro e ainda difícil de ser aferido. Ora cômico, ora doloroso, ele encapsulou uma geração ligada à ironia e ao entretenimento, mas desconectada da imaginação, da solidariedade e da empatia. No romance, seguimos os passos dos irmãos Hal, Orin e Mario Incandenza — membros da família mais disfuncional da literatura contemporânea —, conforme tentam dar conta do legado do patriarca James Incandenza, um cientista de óptica que se tornou cineasta e cometeu suicídio depois de produzir um misterioso filme que, pela alta voltagem de entretenimento, levava seus espectadores à inanição e à morte. Enquanto organizações governamentais e terroristas querem usar o filme como arma de guerra, os Incandenza vão se embrenhar numa cômica e filosófica busca pelo sentido da vida.

Nacionalidade do autor: 
Ano da publicação do texto: 1996

Fui levado a ler esse livro pela grande curiosidade que surgiu após ler alguns comentários que explicavam (ao menos tentavam) sobre o que ele tratava, qual era sua história. E a verdade é que essa história foi me parecendo cada vez mais original e intrigante, ainda que a imagem que eu fui formando sobre o livro fosse, na verdade, um grande quebra-cabeça, com inúmeras peças faltando. Bom, a única forma de montar esse quebra-cabeça era ler o livro. E que livro. Foi uma graça infinita ter a oportunidade de ler essa obra-prima.

É verdade que as mais de mil páginas assustam? É. É verdade que tem mais de 200 páginas de notas e algumas delas são bem enfadonhas? É. É verdade que o começo é um tanto quanto confuso, que o autor usa e abusa de siglas e que a construção da história é não linear? É. Então o livro é chato pra caramba? Nem a pau.

Tomando como principais ambientes uma academia de tênis para crianças e jovens, uma casa de recuperação para dependentes químicos e as movimentações de um grupo terrorista cujos integrantes são violentos cadeirantes, Wallace traça uma história distópica extremamente original, mas cujo ponto forte são as reflexões sobre temas profundos que permeiam a vida dos personagens. Por exemplo, talvez a melhor descrição sobre o pensamento de suicídio esteja nesse livro. É tudo muito convincente e visceral, lembrando que Wallace se suicidou. Outro exemplo é uma discussão que ocorre sobre o quão benéfico é a liberdade que as pessoas têm para buscar maximizar seu prazer. E se o prazer for mortal, como é o caso do filme que dá nome ao título do livro? Estaria a filosofia utilitarista que serve de fundação para as relações sociais, econômicas e até culturais dos EUA e de grande parte do Ocidente fadada ao fracasso lógico e moral?

Enfim, qualquer resenha para esse livro será sempre muito grande pela quantidade de conteúdo que ele apresenta e pelo que pode ser discutido, mas também sempre será muito curta, de forma a não conseguir passar nem uma minúscula parte do que esse livro entrega na experiência de sua leitura. Então fico por aqui. Só resta dizer que é realmente uma graça infinita ler esse livro. Provavelmente, meu livro favorito de todos os tempos.

Bônus: videoclip da música Calamity Song, da banda The Decemberists. O clip é baseado no livro, mais especificamente, no jogo Eschaton inventado pela molecada da academia de tênis.

Classificação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s