O Leilão do Lote 49 – Thomas Pynchon

Sinopse: O leilão do lote 49 , segundo romance de Thomas Pynchon, um dos mais inventivos escritores norte-americanos, é um hilariante mergulho, repleto de surpresas, na subcultura da Califórnia em plena década de 60, entremeado de alusões à cultura de massa e à história européia. Édipa Maas, a protagonista, é surpreendida ao ser designada inventariante no testamento de um riquíssimo ex-namorado; ao começar a desvendar seus negócios, ela se vê envolvida no que parece ser um misterioso complô internacional, que se complica à medida que fatos e personagens cada vez mais bizarros se sucedem e se encaixam como as peças de um delirante quebra-cabeças. 

Nacionalidade do autor: 
Ano da publicação do texto: 1966

É extremamente difícil descrever e avaliar a experiência de ler O Leilão do Lote 49. A primeira sensação ao terminar o livro é de que acabei de “ler” um filme de David Lynch. Para quem não conhece o diretor de cinema, a maioria dos seus filmes é consagrada pela mistura de realidade, sonhos e alucinações, e são exatamente esses elementos que este livro traz à tona, embora em uma mídia diferente.

O início da história tem um pressuposto bem simples: a protagonista, Édipa, recebe a missão de organizar o inventário do espólio de seu antigo companheiro amoroso, o falecido Inverarity, dono de praticamente tudo na cidade de San Narcisa, na Califórnia. Ela vai até San Narcisa para resolver isso e, daí pra frente, a história se desenrola da forma mais alucinante possível, em um misto de personagens e acontecimentos bizarros, envolvendo uma possível conspiração sobre a existência de uma companhia misteriosa de envios postais, que remonta do período renascentista.

Acredito que o ponto do livro é justamente o que ele oferece em termos de experiência de leitura, certamente com uma proposta pós-moderna de desconstruir uma percepção de realidade definitiva e pré-determinada. Portanto, os elementos do livro têm o papel de contribuir para criar esse tipo de sensação. Desde o nome dos personagens até as passagens mais surreais vão apresentando contrapontos com o que, em tese, é o desenvolvimento da linha narrativa central.

Talvez o melhor resumo do livro, ou melhor, do livro falando sobre ele mesmo, seja esse trecho do diálogo entre Édipa e seu analista, o Dr. Hilarius:

“Eu vim na esperança de que você me livrasse de uma fantasia.”
“Cuide bem dela!”, vociferou Hilarius. “E o que mais vocês têm? Agarre ela cuidadosamente por seu pequeno tentáculo, não deixe que os freudianos a expulsem com sua lábia ou que os psiquiatras a ponham para fora com venenos. Seja o que for, agarre ela firme, porque ao perdê-la uma parte de você passa para os outros. Você começa a deixar de existir.”

Não será um livro do agrado de quem não está aberto a uma experiência literária um pouco mais “estranha”, no sentido de que talvez o que importe menos para esse tipo de leitura seja a coerência do desenrolar da história. Vale mais o misto de impressões de que sempre há algo ao nosso redor ao qual estamos completamente alheios.

Classificação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s