O Desaparecido ou Amerika – Franz Kafka

Sinopse: Publicado por Max Brod em 1927 com o título de Amerika, mas designado pelo próprio autor como O desaparecido, este é o primeiro romance de Franz Kafka. Nele, o leitor acompanha as andanças do jovem Karl Rossmann pelo território norte-americano, desde seu desembarque em Nova York vindo da Alemanha até uma insólita viagem de trem rumo ao oeste para juntar-se a uma trupe de teatro. Banido pelos pais, enganado pelos amigos, sujeito aos tratamentos mais abusivos, Rossmann espelha em sua trajetória a condição desnorteante do sujeito moderno, dotado de uma dimensão épica que lhe é, no entanto, continuamente negada. Assim, o protagonista se move em meio a um labirinto de situações que passam, num segundo, do factual ao fantasioso, do cômico ao grotesco, do sensual ao irônico, sem que possamos apreender, em última instância, em que consiste a realidade.

Nacionalidade do autor: 
Ano da publicação do texto: 1927

Primeiramente, vale ressaltar que esse livro é composto de fragmentos de um romance. De um total de 270 páginas, as 240 primeiras constituem um romance estruturalmente conexo e linear, seguido de mais 30 páginas com três fragmentos não conexos (e, ao menos um deles, claramente inacabado) de situações que acontecem em um futuro próximo do ponto onde termina a história bem estruturada.

Tendo isso em mente, O Desaparecido é uma história tipicamente kafkaniana. O protagonista é Karl, um estudante europeu que é obrigado pelos pais a se mudar para os EUA, após se envolver com sua empregada e ter um filho. No primeiro capítulo, temos Karl chegando de navio ao porto de Nova York. Já de cara, temos um ambiente totalmente kafkaniano, cheio de absurdos e injustiças: Karl, já praticamente saindo do navio, lembra que esqueceu seu guarda-chuva na cabine. Ele deixa sua mala no convés com praticamente um desconhecido e vai atrás do guarda-chuva. Karl, ao se perder no navio, acaba entrando na cabine do sofrido e injustiçado foguista e, tomando suas dores, segue com ele até a cabine do capitão no intuito de reclamarem um pagamento justo para o foguista e reclamar dos maus tratos sofridos pelo trabalhador do navio. E é no gabinete do capitão que, a partir de um acontecimento extremamente inusitado, Karl recebe uma oportunidade de ouro para se estabelecer em Nova York, com todo o conforto possível.

Essa sequência de acontecimentos inusitados é apenas o início de uma história marcada pelo surrealismo dos eventos de Kafka. Como não poderia deixar de ser, assim como em outros romances do autor, o protagonista vai sofrendo uma série de injustiças abusivas e inexplicáveis, ficando muitas vezes sem possibilidade de reação e defesa, apesar do início de sua vida na Amerika ter sido marcada por uma sorte tremenda. Ao mesmo tempo que o leitor sente uma certa raiva de Karl pela sua inocência e passividade exagerada em algumas situações, sente também que ele é apenas uma vítima de uma opressão e um infortúnio esmagador, no qual qualquer luta é, no final das contas, realmente inútil. Estaria Karl fadado a um destino irreversivelmente miserável?

Fica a recomendação de leitura, obrigatória para quem gosta de Kafka. Ela só não é melhor por conta do romance não ter uma estrutura coesa do início ao fim, utilizando alguns fragmentos da história deixados pelas anotações de Kafka.

Classificação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s